SJ News - шаблон joomla Авто

 pontotransp

faixa jubileu grande2

Nono Domingo do Tempo Comum

02/06/2013


“Nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé.” O centurião romano, equivalente a um capitão na hierarquia militar atual, foi elogiado por Jesus pela sua grande fé: “Em verdade vos digo: nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”. Depois de professar uma fé tão viva em Jesus e de ser assim elogiado por ele, é de pensar que a vida daquele homem não foi mais a mesma. Depois das graças desse Ano da Fé temos que mudar de vida... para melhor! Para estar com Cristo! Um livrinho intitulado “Cartas dos amigos de Cristo” traz uma carta imaginária do centurião a Jesus. Gostaria que você também a conhecesse:“Senhor: não pude agradecer-te; tive fé em ti, e vejo que a minha fé não foi confundida. O meu servo está são, mais forte do que antes. Que poder o da tua palavra! Queremos visitar-te, a minha mulher, o meu criado que curaste – que quer ir a todo custo – e eu. Mais do que nunca, sou indigno de que venhas a minha casa; também não preciso que o faças, e não o digo por desprezo nem por egoísmo, mas porque notamos a tua presença em nós e entre nós, invisível, mas palpável; não saberia explicá-lo, Tu me entenderás. (...) a tua presença nesta casa onde nunca estiveste é constante e viva, e enche-nos de paz e de serenidade interior. (...) Venho de um ambiente em que prevalecem o poder, o domínio, a política, e em ti não encontro nada disso. No entanto, parece que, misteriosamente, tens o segredo de exercer toda a autoridade ou todo o poder, mas de outra maneira, com outro estilo. (...) Embora não tenha neste momento grandes problemas de comando, receio que possam vir a aparecer quando eu tiver de obedecer e os meus superiores não exercerem devidamente a autoridade; penso que até poderão dar-se graves conflitos entre as exigências de algumas ordens e os imperativos da minha consciência. Há tantas injustiças e tantas extorsões... Mas também espero que a tua luz e a tua palavra, remota e presente, sempre eficaz, me iluminem e me levem a aceitar sacrifícios e renúncias a serviço da verdade. (...) Um abraço.”Essas palavras lembram-me de outro homem de fé, São Tomás Moro, que não vendeu a sua alma em troca de dinheiro, de fama, de bem-estar. Foi um cristão leigo, um cristão corrente que soube harmonizar muito bem a sua vocação de pai de família com a profissão de advogado e, mais tarde, de chanceler do Reino da Inglaterra. Quando Henrique VIII quis que os seus súditos jurassem a Ata de Sucessão (pela qual se reconhecia o matrimonio entre Henrique VIII e Ana Bolena, o rei como chefe supremo da Igreja da Inglaterra, e a negação da autoridade do Papa), que era anticristã, Tomás Moro, não querendo trair a sua própria consciência de homem e de cristão preferiu ser preso e martirizado (decapitaram-no) a dobrar-se perante os caprichos de um rei autoritário. Que também nós sejamos pessoas de fé, que vivem as consequências de ter uma vida de fé.

Pe. Françoá Costa

Liturgia

  
Liturgia diaria   Liturgia das Horas

Calendário

Calendario dioc   Curso noivos